ESTE SITE ESTÁ À VENDA
Faça sua oferta aqui
 
« iTunes ganha interface 'limpa' e rede social »     ...     « Lançamento de Ping estremece relação entre Apple e Facebook »     ...     « Em tráfego de dados, Android e Linux perdem para aparelhos com iOS »     ...     « Teste de velocidade no iPhone 3G: iOS 4.0 contra iOS 4.1 »     ...     « TIM faz 'degustação' do iPhone 4 a partir de amanhã »     ...     « Rede social da Apple precisa de ajustes »     ...     « Aplicativo para iPad mostra a localização dos centros da Nasa »     ...     « Primeiras impressões: testamos os novos iPods »     ...     « Os 10 melhores programas para Mac »     ...     « Novos iPods Shuffle e Nano chegam ao Brasil em 2 semanas »     ...     « Anatel homologa iPad 3G para venda no Brasil »     ...     « Livraria Saraiva lança plataforma de livros digitais para iPad »     ...     « Loja on-line da Apple supera a marca de 250 mil aplicativos »     ...     « App Store bate novo recorde e mantém liderança isolada no mercado »     ...     « App Store atinge a marca de 6.5 bilhões de downloads »     ...     « Steve Jobs apresenta mudanças no iPod »     ...     « Steve Jobs apresenta versão menor e mais barata da Apple TV »     ...     « Apple cria locadora virtual de filmes e renova linha de iPods nos EUA »     ...     « Apple atualiza linha de iPods, mas deixa Classic de fora »     ...     « Novo iPod Shuffle: os botões estão de volta! »     ...     « Apple apresenta iOS 4.1 com correções para bugs do iPhone 4 e 3G »     ...     « Windows Live Sync (ou será Live Mesh?) chega à plataforma Mac »     ...     « Orquestra de iPads apresenta aplicativo musical »     ...     « Apple planeja utilizar tecnologia em que metais se comportam semelhante ao plástico »     ...     « Capa para iPhone funciona como abridor de garrafa »

 

 

Analistas deveriam saudar os esforços corporativos da Apple e só não o fazem por culpa da própria Apple.

“A Apple saiu de quase nenhum mercado no meio corporativo [em 2007] para alcançar 4,2%. Colocando as coisas em perspectiva, o Windows Vista só foi capaz de conquistar 6,3% do mercado corporativo, apesar de seu pesado marketing e posição dominante”, comenta Jason Mick em artigo publicado no DailyTech.

Mick pergunta-se se tais números indicam a existência de um Mac OS próximo de atingir um sistema operacional da Microsoft e, se sim, por quê isso não foi manchete em cada coluna de tecnologia, considerando que cada vez que o OS X ganha mercado, mesmo que em parcelas quase insignificantes, o feito é pesadamente noticiado.

“O motivo é que, apesar do sucesso, os analistas têm dado pouca importância ao fato e quase sempre, mais do que alguns gostariam de admitir, são esses analistas que ditam o que vai virar notícia. E os analistas não gostam dos esforços da Apple em âmbito corporativo. (…) A Apple simplesmente não tem respeito por analistas de negócios como solução corporativa séria. As opiniões dos analistas sobre a Apple no mercado doméstico e as opiniões dos mesmos analistas sobre a Apple no mercado corporativo são como o dia e a noite”, pondera Mick.

Segundo ele, a única coisa que importa em análise de mercado são os números frios. “No que diz respeito aos números de vendas, parece que os analistas deveriam saudar os esforços corporativos da Apple e talvez zombar de seus esforços no mercado doméstico, no qual seus ganhos têm [comparativamente] sido muito menos brilhantes. Infelizmente, parece que eles têm feito o oposto”.

Mais detalhes no artigo completo de Mick.

“[Esse] problema de percepção é inteiramente culpa da Apple e a evidência disso é a notável ressurreição da marca dentre os consumidores. A Apple faz muito bem o que a Microsoft faz muito mal: propaganda. A Apple inunda o horário nobre da TV com comerciais do iPhone, do iPod touch e do MacBook Air e com aqueles hilários comerciais ‘Get a Mac’ que fazem troça do PC. O marketing da Apple é simples, memorável e focado nos benefícios para o usuário. Com o sucesso das Apple Stores e a popularidade do iPod como fatores adicionais, não é surpresa que o marketing funcione tão bem”, comenta Joe Wilcox em artigo publicado no eWeek.

O outro lado da moeda — o marketing em âmbito corporativo —, no entanto, praticamente não existe, comenta ele. “O marketing funciona e a equipe de executivos de [Steve] Jobs [diretor-presidente da Apple] sabe disso. Então por quê faz tão pouco no mercado corporativo? É escolha da Apple. Para qualquer empresa que venda produtos, percepção é tudo. Com o silêncio da Apple, as revendas de PCs e os gerentes de TI doentes por informação estão livres para perpetuar mitos sobre a viabilidade do negócio do Mac. Existe a percepção de que o Mac não é compatível e que são difíceis de gerenciar”.

Para Wilcox, o fator-chave que pode mudar essa desfocada percepção é o iPhone. “Muito disso vai depender do iPhone software 2.0, de sua capacidade de sincronização com o Exchange, da expansibilidade do kit de desenvolvimento de software (SDK) e de se a Apple vai ou não fazer algum marketing corporativo de verdade para seus produtos. Mesmo sem o marketing, o iPhone tem apelo corporativo suficiente para aumentar a exposição dos produtos Apple nos departamentos de TI”.

Baseado nisso, diz Wilcox, não há desculpa para que uma marca com tal apelo perante o consumidor e que vende software de nível empresarial tenha tão pouca penetração nesse meio. “Percepções negativas sobre o Vista colocam o Windows em uma posição vulnerável. Uma vez que muitas empresas têm que comprar hardware novo e enfrentam problemas de compatibilidade com aplicações, diminui a vantagem do Windows no quesito custo. A Apple não pode deixar passar essa oportunidade de venda corporativa. Há muito a Apple deixou passar a chance de limpar a crosta de sujeira na percepção corporativa”.

Mais detalhes no artigo completo de Wilcox.

No momento da finalização deste artigo nosso iTunes tocava:
Elba Ramalho, De Volta pro Aconchego

Tags:, , , , ,
 

Fuja do lugar comum: venha para o AppleMania!

 

4 comentários para “Adoção do Mac nas empresas triplicou em 2007, mas Apple poderia fazer melhor”
  1. Só corrige onde está SKD para SDK. 🙂

  2. Lealcy, grato pelo toque. 🙂

  3. Daniel Carlos disse:

    Na verdade, a Appe faz uma propaganda discreta, subliminar e apelativa, tudo ao mesmo tempo… ela faz propaganda discreta, pois se reparar bem, em muitos filmes e video-clips, temos produtos Apple. Hoje mesmo assisti ao filme “Escola de Rock” que, apesar de antigo, é um filme legal… Quase o tempo todo passava aquele iMac estilo “abajour”. E em determinado momento, mostrou o garotinho alterando os efeitos de luz do Show com tanta facilidade no MacBook dele que parecia que estava brincando no Paint. Subliminar justamente por isso: além de mostrat o produto, mostra discretamente o quão fácil ele é de usar, onde até um garoto de 10 anos mexe com facilidade. O ponto apelativo, é os comerciais do “Get a Mac”, apontando as vantagens do Mac e as desvantagens do PC. É divertido, mas passa a impressão de que o PC é um péssimo computador, quando só não é tão bom quanto o Mac.

  4. Daniel Carlos disse:

    Mais uma propaganda (que a Apple num deve nem saber) que pode ajudar a promover o Mac no Brasil: o comercial de uma revista aqui de SP. Não lembro o nome dela, mas no comercial, a mulher chega e propõe um monte de coisas pra ela e o marido fazer. Reparem no notebook do marido!!! Um MacBook!!! Pode parecer besteira, mas aos poucos, os usuários vão começar a pensar: “que notebook é esse???”

    E a curiosidade vai levar muita gente a conhecer a Apple.

  5.  

 

Copyright © 2007-2010 AppleMania.info. Todos os direitos reservados.
A correta visualização deste site requer navegador compatível com os mais elevados padrões da Internet e está assegurada com os navegadores
Apple Safari, Google Chrome, Mozilla Firefox, Mozilla SeaMonkey, KDE Konqueror e Opera em resolução mínima de 1024 x 768.