ESTE SITE ESTÁ À VENDA
Faça sua oferta aqui
 

Fanáticos pelo BlackBerry são piores que os fanáticos pelo Mac, diz David Pogue

“Sempre achei que essa sub-população de fãs do Mac compunha o mais alerta e hostil lobby de trogloditas do mundo. Mas agora vejo que estava enganado. Há algo ainda pior: os malucos do BlackBerry”.

 

“Descobri algo na semana passada. Em minha coluna na edição impressa do Times, avaliei o BlackBerry Storm, de longe o pior produto já lançado pela Research In Motion. Ele tem problemas no conceito, na tela clicável, na velocidade e, acima de tudo, tem defeitos (que a empresa se recusa a reconhecer mesmo depois de eu lhes ter enviado vídeo do celular travando)”, diz David Pogue em artigo publicado no site do jornal The New York Times.

Pogue conta que, após a publicação de sua avaliação do Storm, cerca de 100 leitores escreveram-lhe para dizer que compraram o produto e se arrependeram, citando algumas declarações:

— Ele é um pesadelo absoluto. Tão logo eu retorne a Nova York, vou aproveitar a política de devolução em 30 dias da Verizon para me livrar desta monstruosidade.

— Na semana passada corri para experimentar o novo Storm e fiquei frustrado, confuso e perplexo com o aparelho. Não consegui usar o navegador e foi difícil até fazer ligações.

— Meu Storm é algo como um romance de Stephen King: possuído por vontade própria. Tocar ou selecionar na tela destaca algo totalmente diferente. O atraso na mudança da horizontal para a vertical quase faz parecer que a tela decide por si mesma quando deve efetuar a mudança.

— Um de meus colegas, que é quase um militante do desdém por qualquer coisa que venha da Apple, mal podia esperar para colocar suas mãos no Storm. Mas eis que, 30 minutos depois, já tentava descobrir como receber seu dinheiro de volta.

— Penso haver uma importante distinção entre controle de qualidade (se algo funciona ou não conforme projetado) e qualidade do projeto. Este aparelho falha miseravelmente em ambos.

— Em resumo: o BlackBerry criou o Zune dos celulares sensíveis a toque.

Mas nem todos concordaram com a avaliação negativa de Pogue, relata ele. “Cerca de uma dúzia de novos donos de Storm escreveram para dizer que, embora também tenham encontrado alguns defeitos e lentidão no aparelho, gostaram dele apesar disso. Mas outra dúzia de pessoas que não experimentou o aparelho me escreveu para despejar sobre mim o equivalente da Internet a chumbo derretido”.

Após citar algumas das críticas ácidas e pungentes recebidas por ele por causa de sua avaliação do Storm (uma das quais dizia “Que o Diabo descubra que você morreu tão logo morra”), Pogue comenta ser difícil para ele entender porquê há quem discorde de sua avaliação sem que sequer tenha posto a mão no aparelho.

“Por anos, críticos de tecnologia como eu ocasionalmente despertaram a ira do Culto ao Mac. Se você escrever algo que sequer passe perto de dizer que os produtos Apple são perfeitos (como, por exemplo, minhas avaliações do Apple TV original, do iMovie ’08 ou do MobileMe), a resposta será rápida, sarcástica e enfurecida. Estou falando de insultos, vulgaridades e até ameaças. Sempre achei que essa sub-população de fãs do Mac compunha o mais alerta e hostil lobby de trogloditas do mundo. Mas agora vejo que estava enganado. Há algo ainda pior: os malucos do BlackBerry”, observa Pogue.

Ele acha que o rancor de certos fãs do BlackBerry começou a ser desperdado depois que a Apple entrou no mercado de smartphones e roubou para si todas as atenções, que antes eram privilégio do produto da RIM. A partir de então, diz ele, a Apple deixou de ser a azarona e passou a ser uma Golias. O azarão agora é o “pobrezinho” do BlackBerry.

“No terceiro trimestre de 2008 o iPhone ultrapassou o BlackBerry como o smartphone mais vendido do mundo (6,9 milhões de unidades contra 6,1 milhões). Mas esses números podem não representar uma tendência: o iPhone beneficiou-se de um pico de demanda pelo modelo 3G, enquanto as vendas do BlackBerry sofreram por causa da expectativa pela chegada dos novos modelos quentes do inverno (Bold, Flip e Storm). (…) Mas se o iPhone continuar vendendo assim, cuidado. Há uma nova minoria oprimida na cidade. E você não vai gostar de vê-la com raiva”, conclui Pogue.

Mais detalhes, incluindo outros comentários positivos e negativos recebidos por ele, no artigo completo de Pogue.

Artigos relacionados:

 

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Fanáticos pelo BlackBerry são piores que os fanáticos pelo Mac, diz David Pogue

  1. Ipso Facto disse:

    Após múltiplas avaliações reprovando o Storm de fontes como NY Times, Engadget, PC World, Computerworld, Chicago Tribune, Gizmodo, Time, InformationWeek, etc., a única conclusão possível é a de que o produto realmente não vale a pena.

    Como qualquer outro fabricante fora a Apple, a RIM está anos atrás, tentando pegar atalhos numa tentativa desesperada e fútil de alcançar o iPhone.

    Os malucos pelo CrackBerry da Research In Slow Motion devem relaxar, deixar os críticos em tecnologia em paz, dedicar algum tempo para habituarem-se ao novo mundo e rezar para que Steve Jobs não compre o que tiver restado da RIM depois que o mercado mergulhar o valor das ações da empresa na cumbuca das pechinchas junto com todos esses Storms que estão sendo rapidamente devolvidos.

  2. Daniel Carlos disse:

    Da mesma maneira que a Microsoft já foi a Deusa Grega da Informática e hoje está em decadência, a RIM já foi a Deusa Grega dos Smartphones, e hoje está decaindo também. E quem é o motivo dessa queda, a Apple??? Não amigos!!! Essas empresas crescem rápido, e depois que estão no topo, acham que qualquer porcaria q se faça os usuários vão gostar, que só vão utilizar os produtos deles e outras coisas mais… Ae ferra tudo e dá a M&#d@ que deu com o Vista e com o Storm… Depois num querem q a Apple cresça!!!

  3. Antonio disse:

    A RIM não é Microsoft que predeu muitos usuários no universo da retro-compatibilidade de seus produtos, se há RIM piorar ou parar no tempo ela vai cair.

    Apple quase foi paro o brejo na metade dos anos 90, inovou e deu a volta por cima.

    Há microsot ainda é a maior mais não por escolha e sim por necessidade.

Os comentários estão encerrados.