ESTE SITE ESTÁ À VENDA
Faça sua oferta aqui
 
« iTunes ganha interface 'limpa' e rede social »     ...     « Lançamento de Ping estremece relação entre Apple e Facebook »     ...     « Em tráfego de dados, Android e Linux perdem para aparelhos com iOS »     ...     « Teste de velocidade no iPhone 3G: iOS 4.0 contra iOS 4.1 »     ...     « TIM faz 'degustação' do iPhone 4 a partir de amanhã »     ...     « Rede social da Apple precisa de ajustes »     ...     « Aplicativo para iPad mostra a localização dos centros da Nasa »     ...     « Primeiras impressões: testamos os novos iPods »     ...     « Os 10 melhores programas para Mac »     ...     « Novos iPods Shuffle e Nano chegam ao Brasil em 2 semanas »     ...     « Anatel homologa iPad 3G para venda no Brasil »     ...     « Livraria Saraiva lança plataforma de livros digitais para iPad »     ...     « Loja on-line da Apple supera a marca de 250 mil aplicativos »     ...     « App Store bate novo recorde e mantém liderança isolada no mercado »     ...     « App Store atinge a marca de 6.5 bilhões de downloads »     ...     « Steve Jobs apresenta mudanças no iPod »     ...     « Steve Jobs apresenta versão menor e mais barata da Apple TV »     ...     « Apple cria locadora virtual de filmes e renova linha de iPods nos EUA »     ...     « Apple atualiza linha de iPods, mas deixa Classic de fora »     ...     « Novo iPod Shuffle: os botões estão de volta! »     ...     « Apple apresenta iOS 4.1 com correções para bugs do iPhone 4 e 3G »     ...     « Windows Live Sync (ou será Live Mesh?) chega à plataforma Mac »     ...     « Orquestra de iPads apresenta aplicativo musical »     ...     « Apple planeja utilizar tecnologia em que metais se comportam semelhante ao plástico »     ...     « Capa para iPhone funciona como abridor de garrafa »

 

 

Esse fracasso é consequência direta de se colocar um contador na posição de CEO, que fez muito pouco para impulsionar a empresa tecnologicamente ou estrategicamente.

 

“A Microsoft tem falado em cinco diferentes plataformas móveis em 2010: Windows Mobile 6.5, Windows Embedded Compact 7, Windows Phone 7, Kin e Windows 7, explicando muito pouco sobre como essas plataformas relacionam-se umas com as outras e quais a empresa quer usar e com que configuração. Então não é nenhuma surpresa que a Microsoft esteja fracassando tão flagrantemente no espaço móvel e que não tenha nenhuma estratégia coerente para um tablet”, diz Jason Hiner no TechRepublic.

“E acho justo dizer que as preocupações da Microsoft com tablets são indicações de problemas maiores que assombram a Microsoft de hoje: equipes similares competem por recursos, colaboração mínima entre projetos similares e falta de visão gerencial para fazer todos remarem na mesma direção. O surpreendente é que [Steve] Ballmer [CEO da Microsoft] e a diretoria da empresa não estão sob fogo cerrado por causa dessa falta de foco e pelas confusas estratégias que levaram a Microsoft a fracassar no mercado da computação móvel, que provavelmente vai terminar dispersando muito mais gente do que a revolução do PC foi capaz de juntar”, opina Hiner.

“Esse fracasso é consequência direta de se colocar um contador na posição de CEO para suceder Bill Gates. Ballmer fez um excelente trabalho em maximizar os lucros da empresa e ganhar o máximo de dinheiro possível de usuários e empresas com os produtos Microsoft — basicamente Windows e Office. Mas Ballmer fez muito pouco para impulsionar a empresa tecnologicamente ou estrategicamente. Eis porque Wall Street tem apostado contra a Microsoft. O mercado de ações é um barômetro das expectativas do sucesso futuro da empresa. O preço das ações da Microsoft tem flutuado basicamente no mesmo lugar há uma década porque a liderança de Ballmer não deu ao mercado nenhum motivo para apostar no futuro da Microsoft”, avalia Hiner.

Leia mais no artigo completo de Hiner.

Tags:
 

Fuja do lugar comum: venha para o AppleMania!

 

5 comentários para “Por que a Microsoft é um fracasso no mercado móvel”
  1. Ipso Facto disse:

    Extrato de entrevista com Steve Jobs publicada na revista BusinessWeek em 12 de outubro de 2004:

    BW: Que podemos aprender da luta da Apple pela inovação durante a década antes de seu retorno em 1997?

    Jobs: A Apple teve o monopólio da interface gráfica por quase 10 anos. É muito tempo. E como se perde um monopólio? Pense nisto: alguns inventores muito bons inventam alguns produtos muito bons e, com eles, a empresa conquista um monopólio. Mas então os inventores deixam de ser os que conduzem a empresa, cujo controle passa a ser dos marketeiros e dos que expandem o negócio para a América Latina ou seja lá onde for. Qual é o sentido em concentrar-se em tornar o produto ainda melhor se a única empresa da qual pode roubar mercado é a sua própria? Então um tipo diferente de gente começou a se mexer. E quem geralmente termina tocando o barco? O vendedor. (…) Então, um dia, o monopólio acaba, por algum motivo. Mas aí os inventores já terão ido embora ou não se dá mais ouvidos a eles. Então a empresa entra em seu período de turbulência e talvez seja capaz de sobreviver, talvez não.

    BW: Isso é comum na indústria?

    Jobs: Veja a Microsoft. Quem é que toca a Microsoft?

    BW: Steve Ballmer.

    Jobs: Certo, o vendedor. Caso encerrado.

    Hiner diz que as ações da Microsoft têm flutuado basicamente no mesmo lugar há uma década porque a liderança de Ballmer não deu ao mercado nenhum motivo para apostar no futuro da Microsoft. O fato é que a Microsoft nunca trouxe futuro algum, em época alguma. O que ela trouxe foi um esburacado, inseguro e mal feito clone do Mac OS (quem ainda não assistiu o filme Piratas do Vale do Silício deve assistir) e uma suíte Office. A maior parte das “inovações” da Microsoft são coisas que a Apple já havia feito anos antes em seu sistema operacional. Quando a Microsoft tentou “inovar” por conta própria, apareceu com coisas como o MS Bob e uma mesa digital de 10 mil dólares apelidada de Big Ass Table (em homenagem a Ballmer, seu idealizador).

    Sim, a Microsoft domina os mercados em que atuam Windows e Office. E daí? O McDonald’s domina o mercado de hambúrgueres, nem por isso são os melhores só porque vendem mais. É isso o que muito fanboy da Microsoft não entende. Há muito poucos exemplos de produtos que dominam seus respectivos mercados sendo os melhores desses mercados. Na verdade, isso é tão raro que apenas três vêm à mente: iPod, loja iTunes e Coca-Cola. Olhe qualquer outro mercado, de carros a sistemas operacionais, e verá que o melhor produto nunca tem o maior mercado. E, se os engenheiros da Microsoft são tão brilhantes, por que levaram 17 anos (isso mesmo: DEZESSETE ANOS!!!) para consertar uma falha de segurança que vinha se arrastando no Windows desde o tempo do DOS até o Windows 7?

    Parte do lucro bilionário da empresa vem de um produto (o Windows) que não existiria sem o Macintosh. E o monopólio do Office não existiria sem o do Windows. Então, sem a Apple, a Microsoft nem existiria, ou seria uma empresinha de duas pessoas produzindo o Paint para Mac.

    O que permitiu à Microsoft dominar o mercado de sistemas operacionais para PCs foi uma combinação de ausência de Steve Jobs na Apple com a assinatura de um contrato porcamente formulado que dava a Bill Gates o direito de copiar o Mac “ad infinitum”. Acontece que desta vez a coisa é diferente: a Apple não está mais sendo dirigida por um bocó incompetente e não há mais contratos porcos em vigor. Foi isso, e não Bill Gates, que fez a Microsoft chegar onde chegou.

    Mas essa desmerecida e ocasional supermacia está em declínio. Tudo que resta é saber quanto tempo ainda levará até que a foice faça a cabeça de Ballmer rolar escada abaixo. Mas eu bem que queria que ele permanecesse à frente da Microsoft pelo resto de sua vida, já que sua gestão tem sido tão benéfica à Apple. 😉

  2. nemo disse:

    e a apple nao existiria sem o o office e a microsoft. 🙂

    • Johnny Bravo disse:

      Poderia nos dizer por que você acha isso?

      • nemo disse:

        porque a M salvou a A de falir.

        • Johnny Bravo disse:

          Ah, você é mais um dos que acreditam nisso, né?

          Bem, você é livre para crer no que quiser. Há quem acredite em mula sem cabeça, boitatá, saci pererê, duendes verdes, etc. Você acredita que a MS salvou a Apple. Tudo bem, é seu direito. Mas o fato é que a MS não investiu 150 milhões de dólares na Apple por pura bondade. Ela foi FORÇADA a isso como parte de um acordo para encerrar o processo da Apple contra a Microsoft por plagiar o Mac OS no Windows. Sem dúvida que o dinheiro veio em boa hora, mas não que a MS tenha salvo a Apple da falência.

          A Apple não melhorou em nada por causa de meros US$ 150 milhões. Esse montante representava cerca de 3% da Apple, sem direito a apitar nas decisões da empresa. Hoje isso representa menos de 0,1%. A Apple foi salva por Jobs, não pela Microsoft.

          Esse papo de Microsoft salvando a Apple é mais furado que peneira. Essa turma podia tentar se informar mais um pouco antes de sair afirmando esses absurdos que, na boa, já encheram o saco.

          Portanto, a M$ não tem nem um pingo de crédito pela ressurreição da Apple. Ela foi culpada justamente pelo inverso.

  3.  

 

Copyright © 2007-2010 AppleMania.info. Todos os direitos reservados.
A correta visualização deste site requer navegador compatível com os mais elevados padrões da Internet e está assegurada com os navegadores
Apple Safari, Google Chrome, Mozilla Firefox, Mozilla SeaMonkey, KDE Konqueror e Opera em resolução mínima de 1024 x 768.