ESTE SITE ESTÁ À VENDA
Faça sua oferta aqui
 
« iTunes ganha interface 'limpa' e rede social »     ...     « Lançamento de Ping estremece relação entre Apple e Facebook »     ...     « Em tráfego de dados, Android e Linux perdem para aparelhos com iOS »     ...     « Teste de velocidade no iPhone 3G: iOS 4.0 contra iOS 4.1 »     ...     « TIM faz 'degustação' do iPhone 4 a partir de amanhã »     ...     « Rede social da Apple precisa de ajustes »     ...     « Aplicativo para iPad mostra a localização dos centros da Nasa »     ...     « Primeiras impressões: testamos os novos iPods »     ...     « Os 10 melhores programas para Mac »     ...     « Novos iPods Shuffle e Nano chegam ao Brasil em 2 semanas »     ...     « Anatel homologa iPad 3G para venda no Brasil »     ...     « Livraria Saraiva lança plataforma de livros digitais para iPad »     ...     « Loja on-line da Apple supera a marca de 250 mil aplicativos »     ...     « App Store bate novo recorde e mantém liderança isolada no mercado »     ...     « App Store atinge a marca de 6.5 bilhões de downloads »     ...     « Steve Jobs apresenta mudanças no iPod »     ...     « Steve Jobs apresenta versão menor e mais barata da Apple TV »     ...     « Apple cria locadora virtual de filmes e renova linha de iPods nos EUA »     ...     « Apple atualiza linha de iPods, mas deixa Classic de fora »     ...     « Novo iPod Shuffle: os botões estão de volta! »     ...     « Apple apresenta iOS 4.1 com correções para bugs do iPhone 4 e 3G »     ...     « Windows Live Sync (ou será Live Mesh?) chega à plataforma Mac »     ...     « Orquestra de iPads apresenta aplicativo musical »     ...     « Apple planeja utilizar tecnologia em que metais se comportam semelhante ao plástico »     ...     « Capa para iPhone funciona como abridor de garrafa »

 

 

Conforme o consumidor começa a compreender a natureza mineradora de dados do Android, pode achar que talvez prefira usar o smartphone do qual a Google parece estar copiando idéias. E esse smartphone é o iPhone.

 

“O Android está entre as maiores ameaças à Apple no mundo do smartphone, junto com Nokia, RIM, Microsoft e o webOS da HP/Palm. Com tantos concorrentes, no momento não há um claro vencedor”, diz Jonny Evans no site da revista Computerworld.

Publicidade: As melhores ofertas de produtos Apple

Segundo ele, o consumidor está cada vez mais consciente da importância dos dados digitais privados para as empresas e começa a perceber a quantidade de dados sobre ele que estão sendo coletados por elas, com ou sem seu consentimento. E não está gostando disso.

“Privacidade é importante. E privacidade é o Calcanhar de Aquiles da Google. Ela não entende isso, não respeita isso e acha que todos devem mudar suas identidades de vez em quando para evitar os efeitos limitantes de um mundo sem privacidade. Mas por que deveríamos fazê-lo?”, questiona Evans.

“O consumidor ainda não começou a abandonar o uso de produtos Google, mas, conforme começa a compreender a natureza mineradora de dados desses aparelhos com Android, alguns podem achar que talvez prefiram usar o smartphone no qual a Google parece estar baseando as idéias que implementa no Android. E esse smartphone é o iPhone”, diz Evans.

“Não há garantias de que o Android prevalecerá. Há muitos parceiros da Google e parceiros em potencial elevando as mãos para os céus e suplicando por chuva, mas encantamentos coletivamente compartilhados nem sempre se tornam realidade. (…) Enquanto alguns esperam da Google inovações no Android 3.0, a Apple silenciosamente já está trabalhando no que está por vir no iOS 5.0. E, enquanto a Google provou ter habilidades com tecnologias de dados e buscas, a Apple tem vantagem em, você sabe, projeto de sistemas operacionais. E o que irá impedir a Apple de continuar diversificando sua gama de produtos? O iPod nano? Um Mac com iOS? Um Apple TV com iOS e um pico-projetor de vídeo? O céu realmente é o limite”, pondera Evans.

Leia mais no altamente recomendável artigo completo de Evans.

Tags:
 

Fuja do lugar comum: venha para o AppleMania!

 

4 comentários para “Computerworld: por que o Android pode perder a guerra para o iOS”
  1. Ipso Facto disse:

    A única razão pela qual muita gente hoje opta por um aparelho Android é porque sua operadora não pode lhe oferecer um iPhone. É um fenômeno tipicamente americano e, não por acaso, onde o Android está sendo mais bem sucedido, ainda que artificialmente. O minuto em que o iPhone começar a ser oferecido em múltiplas operadoras é o minuto em que o sonho da Google virará pesadelo.

    Veja também quem está no comando da Apple: ninguém menos que Steve Jobs. Desta vez a Apple não está sendo dirigida por um bocó incompetente pronto para assinar um contrato porcamente formulado que dava a Bill Gates o direito de copiar o Mac “ad infinitum”. Não haverá mais cópias mal feitas de segunda classe para dominar o mundo desta vez — até porque nenhum “parceiro” da Google tem alguma oferta de smartphone a preço significativamente vantajoso quando comparado ao do iPhone. O preço do iPhone começa a US$ 99. O iPad, a US$ 499. Além do mais, a Apple tem uma economia de escala que lhe permite fazer o que diabos quiser, quando diabos quiser.

    Escreva o que digo: o iPhone não se comportará como o Mac. Nem o iPad. O iPhone e o iPad não são o Mac, portanto é bom que parem de compará-los. Quem quer que o faça está demonstrando ser completamente ignorante quanto às forças de mercado que deram forma à guerra do PC. Se você quiser saber como a concorrência se sairá na briga contra o iPhone e o iPad, não olhe para o Mac, e sim para o iPod. Ponto.

  2. Aderbal disse:

    Opa, esqueceram que o Android é um SO Linux que roda em qualquer ARM? Poucas pessoas sabem realmente qual o objetivo principal do Android e insistem em comparar com o iPhone. Coloca o iOS em uma beagleboard?, coloca em uma arqutetura x86? coloca em um outro celular, que n seja o iPhone? Nunca se deve comparar tecnologias, e sim estudá-las. Valeu!!

  3. Editor disse:

    Os comentários do leitor “Fabio N.” foram apagados pelos motivos explicados a ele em particular por e-mail.

  4. Romulo disse:

    A pesquisa so mostra uma coisa… Que acima do iPhone as pessoas querem o que a Apple provavelmente nunca poderá oferecer a elas, um conjunto de possibilidades baseadas num sistema democrático real…

    A Apple provavelmente nunca mais poderá mudar a partir do momento que o universo dela adotou essa estrutura. É o modo que ela encontrou para oferecer algo diferente, e o mais importante, sozinha, sem concorrência. Ela decidiu modificar o seu meio, num processo de sobrevivência, se distinguindo do “outro lado” que se move constantemente para chegar perto de um ambiente que trabalhe como a democracia no mundo real. Isso é inerente, fora dessa estrutura a Apple não cresceria, como a empresa ja constatou (muito menos teria sobrevivido até hoje).

    Alguns gostam, outros não e isso deve ser respeitado… O que importa é que não é eterno, a natureza comprova e assim o fez no momento em que a dificuldade da Apple mudou para o atual crescimento formidável da empresa. Ela mostrou que o que parecia perfeito não o é mais quando o novo vem a tona.

    Enfim, o Android fez algo que nunca existiu no mundo de telefonia/smartphone (como fez a Apple com o iPhone), construiu um universo as semelhanças de uma democracia real. Não é difícil entender isso, a internet funciona assim e antes dela haviam vários fabricantes, donos de redes próprias com regras especificas próprias, redes seguras e funcionais Demorou, e mesmo levando em conta suas imperfeições a internet imperou.

    Com isso a Google agradou um mercado que a Apple não podia agradar, simples, caso do contrario eles estariam com iPhones em outra operadora achando o mundo perfeito…

    A questão é que o mundo não é perfeito, ou você faz de conta que é, ou decide entender que uma moeda não pode ter um lado só, e infelizmente se precisa de uma vai ter de lidar com isso e se você não ignorar o fato de que o mundo não é perfeito, fará uma escolha boa e inteligente para você, Seja Apple ou Android. =)

  5.  

 

Copyright © 2007-2010 AppleMania.info. Todos os direitos reservados.
A correta visualização deste site requer navegador compatível com os mais elevados padrões da Internet e está assegurada com os navegadores
Apple Safari, Google Chrome, Mozilla Firefox, Mozilla SeaMonkey, KDE Konqueror e Opera em resolução mínima de 1024 x 768.